image1 image1 image1 image1 image1 image1
Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
domus aurea 98.1O ano de 98 foi marcado pelo El Niño, que trouxe grandes alterações climáticas, que influenciaram bastante na produção de vinhos. A Casa Lapostolle, por exemplo, não fez o Clos Apalta, já que o fenômeno prejudicou muito a safra no vale do Colchagua. Já no vale do Maipo, a Quebrada de Macul, fez o Domus Aurea com uma rigorosa vinificação, resultando em um vinho mais elegante que o de costume.

O vinho foi feito pelo antigo enólogo chileno Ignacio Recabarren (desde 2001 o enólogo é o francês Jean Pascal-Lacaze) e tomado agora, 11 anos após a colheita, se mostrou muito equilibrado, com aromas de couro, um leve mentolado e um discreto domus aurea 98.2herbáceo. Na boca o vinho está com os taninos bem arredondados, sem nenhuma agressividade. Apesar de estampar apenas cabernet sauvignon no rótulo, tem 4% de cabernet franc nessa safra. As garrafas são numeradas, essa foi a de número 1.319, de um total de 24.000. É um vinho prazeroso, mas que na minha opinião, assim como as outras grandes marcas chilenas e argentinas, não vale o preço cobrado por eles aqui no Brasil.
2017  Decantando a Vida  globbers joomla templates