image1 image1 image1 image1 image1 image1
Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter

Atenção leitores e enófilos de plantão, apresentamos a seguir dois artigos produzidos por nosso amigo Joel, falando sobre vinhos canadenses, cuja indústria vinícola começa a despontar para o mundo, e não só pelos famosos ice-wines. Aproveitem o maravilhoso texto, e aguardem a segunda parte para próxima semana. Boa leitura!

Os vinhos da Colúmbia Britânica (Canadá) - Ilha de Vancouver

Prof.Dr. Joel Camargo Rubim
(Doutor em Química e Enófilo)

Quando se fala do Canadá sobre vinhos, sempre vem à mente os ice wines, vinhos com características adocicadas suaves, de baixo teor alcóolico. Os mais conhecidos são os produzidos na região de Niagara Falls (província de Ontário), que produz outros vinhos além dos ice wines. No entanto, a Colúmbia Britânica (BC), que fica na costa oeste do Canadá, também produz bons vinhos, os quais são pouco conhecidos no Brasil. O mapa ao lado mostra as regiões produtoras de vinho na BC. Relatarei aqui, em dois artigos, minha experiência, pequena, com os vinhos de duas dessas regiões, Ilha de Vancouver (não confundir com a cidade de Vancouver) e Vale do Okanagan. Neste primeiro artigo, falaremos dos vinhos da Ilha de Vancouver, onde fica Victoria, a capital de BC.

A Ilha de Vancouver, riquíssima em belezas naturais, conta com mais de vinte e quatro vinícolas, dispersas em quatro regiões: i) Vale do Cowichan, a mais proeminente região produtora de vinhos da ilha, onde fica a interessante cidade de Duncan (cidade dos totens), região das tribos Cowichan; ii) Penísula de Saanich, uma faixa de região agrícola na costa leste da ilha, ao norte de Victoria, na direção da cidade de Sidney; iii) Ilhas do Golfo (Gulf islands), com várias pequenas vinícolas de empreendimento familiar (Ilhas de Saltspring, Pender e Saturna) e iv) Vale do Comox, região mais ao norte da ilha, de tradição agrícola, com vinícolas próximas à Comox e Courtenay.

MapaIlhaVancouver  Symphony

Na passagem por Victoria, visitei apenas algumas vinícolas do Vale do Cowichan e da Península de Saanich. Em Saanich fiz desgustações na Muse Winery, Symphony Vineyards e De Vine Vineyards. Essas vinícolas ficam há cerca de 20 a 40 minutos do centro de Victoria. As três vinícolas produzem vinhos de uma uva tinta híbrida chamada Maréchal Foch, introduzida no Canadá na década de 40.  Gosto não se discute, mas os vinhos que mais me agradaram dessas vinícolas foram os brancos, em especial, aqueles vinificados com a uva Ortega (um cruzamento das uvas Müller-Thurgau e Siegerrebe). Um destaque para a Symphony, um lugar romântico e acolhedor, com um mini bistrô, onde é possível ter momentos muito agradáveis. 

No vale do Cowichan, situado há cerca de 1h do centro de Victoria, VenturiPNoir1bfica a maior comunidade das primeirasnações (povos indígenas) de BC. Nessa região degustamos vinhos na Blue Grouse Estate Winery, Cherry Point Estate Wines, Enrico Winery, Silverside Farm and Winery, Unsworth Vineyards, Venturi-Schulze Winery e Zanatta Vinotecca Winery. Vinícolas em destaque: i) Venturi-Schulze: aqui degustei um dos melhores Pinot Noir da região (Foto) e seus maravilhosos vinagres balsâmicos, alguns envelhecidos por 11 anos em média em barris de diferentes tipos de madeira, produzidos segundo técnicas tradicionais italianas antigas, além do balsâmico feito com maple (envelhecido 10 anos em barris de castanheira). ii) Zanatta: uma das pioneiras da ilha, aqui os destaques ficam para o espumante Taglio Rosso, produzido pelo método champenoise com uvas Cabernet Sauvignon e Castel e o Damasco, um vinho levemente frisante, produzido a partir de várias uvas brancas, onde, como o nome diz, sobressaem os aromas e sabores do damasco. Na Zanatta também se come muito bem, pratos bem apresentados, por preço razoável. iii) Silverside: a experiência aqui é diferente, pois se pode degustar bebidas deliciosas feitas a partir da vinificação de frutas silvestres como amoras pretas, framboesa e tayberry, um cruzamento de framboesa com amora preta. O vinho feito de tayberry, com 15,5% de teor alcoólico, é simplesmente delicioso. 


As preocupações com o meio ambiente estão presentes em todas as vinícolas visitadas, mas apenas a De Vine produz vinhos com certificação de produto orgânico (De Vine). A Venturi-Schulze tem uma produção sustentável, não faz uso de qualquer agrotóxico, porém não é certificada. Em todas as vinícolas, as degustações variam de 5 a 10 dólares canadenses e ficam de graça ao se levar uma garrafa de vinho. Mas, e os ice wines? Nenhuma das vinícolas que visitei produz ice wines, somente a Venturi-Schulze produz o delicioso vinho de sobremesa, Brandenburg No.3 2011, que, sem dúvida, faz jus ao nome.

2017  Decantando a Vida  globbers joomla templates