image1 image1 image1 image1 image1 image1
Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter

Há duas semanas provei um vinho que achei nas SOLIgôndolas de uma loja Hortifruti, em Brasília, em uma das minhas tantas pesquisas por garrafas inusitadas. O vinho me chamou atenção pela origem incomum. Não que seja impossível, mas era um produto de um local ancestral na produção de vinhos, a Bulgária.

Logo recolhi a ampola e coloque-a no carrinho das frutas e verduras que comprava. O vinho era um SOLI Pinot Noir 2013. Ao chegar em casa, curioso, fui à busca de informações sobre esta intrigante combinação: um vinho búlgaro, da uva pinot noir, a um preço impraticável (R$ 44,00)!

Neste caso surgiram duas comprovações que sempre me remetem à controversa disputa entre: vinhos "pontuados" X avaliados "na vida real" por degustadores experientes. Este, por exemplo, não me lembro qual safra, recebeu nada menos que 90/100 pontos da revista inglesa Decanter (?!), sendo seguido por alguns enófilos que publicam matérias na Internet.

Na minha opinião ficou claro a influência da nota no caso em questão! Por isso sempre devemos tomar muito cuidado na aquisição de um vinho exclusivamente pela nota atribuída por críticos/revistas. Elas servem apenas como sugestão; não como uma verdade absoltuta sobre o assunto. Devemos levar em conta o perfil do crítico. Para onde [quem] ele escreve, para quem trabalha, qual seu índice de imparcialidade, sua experiência. E sobre o vinho: qual safra foi avaliada, qual o produtor, onde a garrafa foi vendida e como é armazenada. Tudo isso pode influenciar na qualdade final do líquido.

Nesta minha avaliação (e lá se vão mais de 2.500 provas publicadas) o vinho tinha aroma bom, cereja e leve tostado que repete na boca. A cor era límpida e clara, lembra bem o claret de uma pinot noir. Mas na boca as semelhanças param por aí. A entrada era com acidez ríspida. Harmonia entre taninos e acidez descompesada, com total falta de estrutura. Mas o líquido estava íntegro, nada de bouchonné ou acético (avinagrado), muito pelo contrário, especialmente pela bela cor. Ainda muito álcool residual, sem dispersão. Certamente que não pode-se exigir muito de uma garrafa que custa 5 dólares (44,00) mas existem muitos vinhos de ótima qualidade nesta mesma faixa de preço - lógico que não de pinot noir. Nota: 85 pts, com muito esforço.

Se isto é o que a Bulgária produz de melhor, ou se existem outros vinhos - e deve haver, eles vão ter que remar mmuuuiiito para chegar perto do aceitável. Me desculpem os demais críticos mas dar 90 pontos nesta garrafa foi exagerado ao extremo, e no mínimo, irresponsável.

2017  Decantando a Vida  globbers joomla templates